Afinal, o que é comer emocional?

"Comer emocional" são aqueles momentos em que usamos o alimento para satisfazer necessidades que estão mais ligadas as emoções do que a necessidade do nosso corpo em ingerir nutrientes. É possível que esse comer emocional venha com uma sensação de descontrole e pensamentos de “não deveria”. Como quando comemos sem nenhuma fome alimentos que sabemos que não são nutritivos para o corpo. É comum que as pessoas confundam isso com “compulsão alimentar”. Porém, compulsão alimentar é um quadro de transtorno alimentar que tem outras características.


Uma pergunta que nos ajuda a identificar se a nossa fome é emocional pode ser “qual é o meu desejo agora?” ou “existe uma necessidade não atendida?”. Talvez você busque a comida quando seu desejo é conforto emocional, um abraço, uma escuta atenta. Talvez sua necessidade seja de descanso ou lazer. De qualquer forma, a comida entra como paliativo mas não resolve a situação e algumas vezes pode deixar as coisas piores. Piores como? Pode ser que depois de se deixar levar por esse momento, você se martirize com pensamentos de culpa e autocrítica como:“Olha o que eu fiz! Por que fui comer isso? Sou mesmo um fracasso!”. Com isso você entra em um looping de sofrimento que, advinha? Provoca mais comer emocional!


“Tá Marcela, descreveu minha vida! E o que faço agora?”. Primeiro é identificar o que acontece entendendo qual a sua verdadeira necessidade. Sempre falo para as minhas clientes se perguntarem “Agora, onde está a libertação do meu sofrimento”? Depois, se você decidir comer, coma com prazer e atenção. Ninguém come chocolate porque tá com fome, né gente? Comida é também afetiva sim. Mas quando comemos com atenção e permissão, não precisamos comer a caixa inteira de bombons, um só bombom bem aproveitado vale mais que 10 devorados no automático e na culpa.


Posts recentes

Ver tudo