icon-fundo-transparente.gif
Buscar
  • marcelabrum81

Esses dias uma cliente disse que gostaria de meditar como os filhos dela meditam. Falou ela: "Marcela! Eles estão adorando fazer a meditação que você sugeriu! Quando eu esqueço eles me lembram! Queria ser assim também!". Uma boa hipótese do porque os filhos dela estão gostando tanto de meditar e já incorporaram isso na rotina é porque eles simplesmente fazem a prática sem nenhuma expectativa, sem esperar que nada grandioso aconteça. Eles apenas se abrem a experiência de estar presente, ao contrário de nós adultos que sempre esperamos um resultado, sempre queremos algo rápido e milagroso que resolva nossos problemas IMEDIATAMENTE! E claro, isso não acontece com a meditação. Ela não é como um Rivotril da vida que vai nos acalmar quase que instantaneamente... Na verdade ela pode até num primeiro momento nos dar a sensação que o desconforto aumentou a medida que nos faz olhar para dentro. Mas é importante percebermos que aquela sensação já estava ali, nós apenas não prestavamos atenção nela. Então agora me diga como podemos cuidar de algo que nem sabemos que existe ou da onde vem? Impossível, né? Por isso a minha dica para quem quer aprender a meditar e incorpora-la na sua rotina de vida é: Não espere nada! Apenas encare esse momento como um presente que você está dando a você mesmo, um presente chamado: presença! Esteja apenas com você por alguns minutos, perceba! TU-DO! Quem sabe assim um dia você poderá conseguir fazer o que crianças bem pequenas fazem naturalmente 😌


0 visualização0 comentário
  • marcelabrum81

Já pensou de onde vem isso? Como começou? A mentalidade da dieta faz com que sintamos culpa toda vez que comemos um alimento que julgamos não ser apropriado ou numa quantidade maior do que alguém disse que seria adequada para nós. Mas o fato é que não faz o menor sentido sentirmos culpa em honrar nossa fome! Ela esta apenas nos lembrando que precisamos de "combustível" para continuar nossa existência na terra! Você não sentiria culpa em fazer xixi ou respirar por exemplo, né? Então por que com a comida é diferente? Simples: porque fomos condicionadas a ter medo da comida, a enxerga- la como vilã! E quando nos damos conta ela já dominou nossos pensamentos. Damos um poder a comida que ela não tem! Agora você pode estar pensando: "Mas e quando como sem estar com fome? Quando o alimento é chocolate ou sorvete isso não se aplica!". De fato não costumamos comer esses alimentos para matar nossa fome física mas por prazer e isso também é importante para nossa saúde! Seres humanos comem por inúmeros motivos além da nutrição: social, cultural, emocional... E que bom que é assim! Não precisamos dissociar o prazer do ato de comer, pelo contrário! Saborear a comida é fundamental para percebemos QUANTO precisamos daquele alimento. Quando comemos com culpa temos a tendência em comer mais e o mais rápido possivel para nos livrar do alimento porque afinal quem gosta de sentir culpa? Além disso não queremos mais ter o "inimigo" em casa então comemos TU-DO e nos prometemos não comprar mais... Só que essa promessa dura apenas até a nossa próxima vontade avassaladora por aquele alimento, certo? Então o primeiro passo para quebrar esse ciclo é se dar permissão incodicional para comer QUALQUER alimento! Não existe alimento proibido, nenhum alimento por si só tem a capacidade de nos engordar ou emagrecer, a chave está na relação que nutrimos com a nossa comida.


2 visualizações0 comentário
  • marcelabrum81

Então aqui vão algumas dicas para saber se o que você está sentindo é fome ou tédio: 1. Respire profundamente algumas vezes. Isso lhe ajudará a relaxar e com o corpo relaxado é mais fácil interpretar o que ele REALMENTE está precisando. 2. Cheque sua barriga. Existe sensações de fome física nela? Ou você está com sede? Ou seu corpo pode estar querendo algo completamente diferente? 3. Se aproxime dos seus sentimentos, perceba qual a emoção está presente no momento, observe como essa emoção é sentida no corpo, note seus pensamentos, não fuja deles, ao contrário: acolha! Mas não se identifique com eles, você não é seus pensamentos nem seus sentimentos, eles passarão como nuvens pelo céu. Apenas observe e deixe passar... 4. Sabendo que não é fome o que você esta sentindo pergunte-se: nesse momento, onde está a libertação do meu sofrimento? Pode ser que a libertação do seu sofrimento ( no caso tédio) esteja em fazer algum movimento prazeroso, ou em alongar o corpo, ou tirar um cochilo, ou ouvir uma música que te deixa feliz... Se dê oportunidade de descobrir e sair do piloto automático 😌

3 visualizações0 comentário